Jesus, o pão da vida - Pr. Marcos Amado


João 6.35


  1. Breve Introdução ao Evangelho de João

    1. Escrito entre os anos 70 e 100 d.C. pelo apóstolo João, que fazia parte do círculo mais íntimo de Jesus
    2. Onde foi escrito? Provavelmente na cidade de Éfeso
      • Paulo exerceu seu ministério ali durante alguns anos
      • Muitos milagres foram realizados por Paulo
    3. Tema Central: Jesus é o messias prometido e o filho de Deus, por meio de quem temos a vida eterna.

      30 Na verdade, fez Jesus diante dos discípulos muitos outros sinais que não estão escritos neste livro.
      31
      Estes, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome.(João 20.30-31)

    4. Para quem foi escrito? Para Judeus e Gentios do mundo Greco-Romano do final do primeiro século.
      • Jesus, o Logos que se fez carne (grego – Estóicos e Gnósticos)
      • Jesus, o cumprimento das promessas do Antigo Testamento (Judeus)
      • Explicações de termos.


      38 E Jesus, voltando-se e vendo que o seguiam, disse-lhes: Que buscais? Disseram-lhe: Rabi (que quer dizer Mestre), onde assistes? (João 1.38)

    5. Principais Temas
Principais Temas do Evangelho de João

1. Jesus é Deus.

1:1–2, 18; 5:17–18; 8:58–59; 10:30–33; 20:28

2. Jesus existia antes da criação do mundo.

1:1–2; 8:58; 17:5, 24

3. Jesus tem conhecimento supernatural.

1:48; 2:4, 19, 23–25; 3:14; 4:17–18; 6:51, 70; 8:28; 9:3; 10:15, 17–18; 11:4, 14; 12:24, 32; 13:10–11, 38; 21:18–19

4. Jesus é o Messias e o Filho de Deus.

1:36, 41, 49; 3:18; 4:25, 29; 5:25; 7:26, 27, 31, 41, 42; 9:22; 10:24, 36; 11:4, 27; 12:34; 19:7; 20:30–31

5. Jesus é o “Eu Sou”.

4:26; 6:20, 35, 48, 51; 8:12, 18, 24, 28, 58; 9:5; 10:7, 9, 11, 14; 11:25; 13:19; 14:6; 15:1; 18:5–6 (cf.Ex. 3:14–15; Isa. 41:4; 43:10–13, 25; 45:18; 51:12; 52:6)

6. Jesus, o Filho que foi enviado, reflete aquele que o enviou.

3:17, 35–36; 5:19–26; 6:40; 8:35–36; 14:13; 17:1

7. Jesus é o cumprimento das instituições e festivais judaicos (incluindo o templo).

1:29, 36; 2:14–22, esp. v. 21; 4:23–24; 8:12; 9:5; 19:14

8. Jesus é quem dá a Vida Eterna.

1:4; 3:15–16, 36; 4:14, 36; 5:24, 26, 39–40; 6:27, 33, 35, 40, 47–48, 51, 53–54, 68; 8:12; 10:10, 25, 28; 11:25; 12:25, 50; 14:6; 17:2–3; 20:31

9. Os sinais de Jesus mostram que ele é o Messias.

2:1–11, 13–22; 4:46–54; 5:1–15; 6:1–15; 9:1–41; 11:1–44

10. As testemunhas de Jesus testemunharam que ele é o Messias.

1:7–8, 15, 19, 32, 34; 3:11, 32–33; 4:39; 5:31–39; 8:14, 18; 10:25; 15:26–27; 18:37; 19:35; 21:24

11. Pai, Filho e Espírito Santo estão unidos na sua obra de revelação e redenção.

14:17–18, 23, 26; 15:26; 20:21–22

12. A morte de Jesus é a base para a salvação.

1:29; 3:14–15; 6:51–58; 10:15; 11:50–52; 12:24; 15:13

13. Deus é soberano no que se refere à salvação.

3:21; 5:21; 6:37–45, 64–65; 10:16, 26–30; 15:16; 17:2, 6, 9

14. Salvação é obtida quando se crê em Jesus como o Messias e como o Filho de Deus.

1:12; 3:15, 16; 5:24; 6:29, 35; 8:24; 11:25–27, 42; 12:44; 17:8, 21; 20:31

15. Os cristãos já podem experimentar os benefícios da salvação aqui e agora, nesta presente era perversa.

3:18, 36; 4:23; 5:24; 6:39–40; 10:10, 26–29; 11:25–26

16. Os cristãos são chamados a continuar a missão de Jesus.

4:38; 15:16; 17:18; 20:21–22


















































2 - Compreendendo o Contexto


  • João 6.1-15: A Multiplicação dos Pães e dos Peixes
    • Onde?
      • Betsaida.
      • Era um lugar deserto (Marcos 6.31).
    • Quando? Perto da celebração da Páscoa (João 6.4).
    • O que era a Páscoa? Celebração da ocasião em que todos os primogênitos do Egito foram mortos, menos os primogênitos do povo de Israel.

O sangue do cordeiro na porta evitava que houvesse morte naquela casa.

    • Uma multidão seguia a Jesus por conta das curas que ele realizava (João 6.2).
      • Jesus, quando viu a multidão teve compaixão, pois as pessoas que o seguiam eram como ovelhas sem pastor (Mc. 6.34).
    • 200 denários: 8 meses de salário de um trabalhador braçal para comprar o pão necessário para alimentar a multidão que estava presente.
    • Mais de 5 mil pessoas são alimentadas como resultado de um milagre de Jesus, o Bom Pastor, que multiplicou cinco pães de cevada e dois peixinhos (João 6.10-11)
    • O que vimos até aqui?
      • Uma multidão é alimentada de forma milagrosa
      • Isto aconteceu como resultado da multiplicação de peixes e pães de cevada
      • Em um lugar deserto
      • Na época da celebração da Páscoa.
    • De quem e do que o povo se lembrou?
      • De Eliseu? Provavelmente: 2 Reis 4.42-44.
      • De Moisés? Com certeza!
      • E da profecia de Moisés, de que um profeta como ele surgiria: Dt. 18.15,18.
    • A linha de raciocínio do povo:
      • Moisés alimentou uma grande multidão no deserto e foi usado por Deus para libertar o povo da escravidão.
      • Jesus tinha acabado de alimentar uma multidão num lugar deserto e sem dúvida poderia libertá-los dos Romanos, que os escravizavam.

Vendo, pois, os homens o sinal que Jesus fizera, disseram: Este é, verdadeiramente, o profeta que devia vir ao mundo” (João 6.14).

    • Resultado?
      • Queriam levá-lo para o proclamarem rei (João 6.15)
      • Jesus retirou-se sozinho para o monte.

Reflexão:

Por que João menciona especificamente que o pão era de centeio?
  • O Profeta Eliseu.
  • Artos: em grego ➜ normalmente se refere ao pão de trigo, mas neste caso o pão que Jesus multiplicou era de centeio.
  • A quem seguimos?
    • Ao Jesus que faz milagres poderosos.
    • Ao Jesus que tem poder sobre a matéria e para transformar os elementos.
    • Ao Jesus que transforma algo desprezível em um canal de bençãos que sacia e supre as necessidades básicas das pessoas.
  • Jesus Anda por Sobre o Mar (João 6. 16-21)
    • O Jesus que tem poder sobre o mar revolto, sobre as forças da natureza, algo que no Antigo Testamento é característica somente de Jeová, o Grande “Eu Sou”.
    • O Jesus que vem acudir aqueles que o seguem e estão angustiados, temerosos e aflitos.
    • “Não temais. Sou Eu!” (6.20)
    • Bela introdução para preparar seus discípulos mais próximos para a afirmação que ele diria a seguir: “Eu Sou o pão da vida”.

As Afirmações “Eu Sou” de Jesus

Afirmações Absolutas:6:20; 8:24, 28, 58; 18:5

Afirmações Metafóricas:


1. Eu sou o pão da vida

6:35, 48, 51

2. Eu sou a luz do mundo

8:12; 9:5

3. Eu sou a porta das ovelhas

10:7, 9

4. Eu sou o bom pastor

10:11, 14

5. Eu sou a ressurreição e a vida

11:25

6. Eu sou o caminho, a verdade e a vida

14:6

Jesus o Pão da Vida (João 6.22-35)
  • A multidão procura por Jesus (6.22-24)
    • O encontram em Cafarnaum (24)
  • A multidão demanda um sinal do céu (6.27-31)
    • O maná no deserto
  • O verdadeiro Pão do Céu (6.32-35)
  • A necessidade da fé (6.36-40)
  • Jesus reitera aos murmuradores que ele é o Pão da Vida (6.41-47)
  • A carne e o sangue de Jesus dão vida (6.52-59)
  • O resultado da revelação: Deserção e Confissão (6.60-71)
A QUEM ESTAMOS SEGUINDO?
  • Jesus, o Senhor que multiplica pães e peixes
  • O Senhor que anda por sobre as águas, acalma o mar revolto, tem poder sobre as forças da natureza.
  • Aquele que é o verdadeiro Pão que dá a verdadeira vida
  • Aquele que entregou o seu corpo e derramou o seu sangue, para que tenhamos vida eterna.
  • Aquele que de maneira nenhuma nos lançará fora
  • Aquele que nos ressuscitará no último dia.
  • Aquele que nos diz que o que realmente importa não é o fato de termos nossas necessidades básicas supridas, mas sim o fato de sabermos que temos um lugar assegurado no céu.

COMO SERIA NOSSA VIDA SE REALMENTE CONSEGUÍSSEMOS ENTENDER QUE O QUE IMPORTA NÃO É O QUE OBTEMOS NESTA VIDA, MAS SIM O FATO DE QUE NO ÚLTIMO DIA RESSUSCITAREMOS E TEREMOS UMA VIDA ETERNA?


SERÁ QUE NO NOSSO DIA A DIA A DOUTRINA DA RESSURREIÇÃO FINAL ESTÁ FAZENDO ALGUMA DIFERENÇA


Pr. Marcos Amado


IBMorumbi